Home / Destinos / Brasil / Respingos do Iguaçu

Respingos do Iguaçu

Parque das Aves em Foz do Iguaçu. Crédito: Tiago Medina.

Por Tiago Medina

Por mais que já se tenha se visto inúmeras vezes em fotos, vídeos e em tudo mais, as cataratas do Iguaçu emudecem a quem as vê pela primeira vez. Não há maneira, com palavras, como descrever tamanha força e beleza.

O conjunto de quedas do rio Iguaçu, entre o Brasil e a Argentina, hipnotiza. Como pode ter tanta água num lugar só? Da onde vem tanta força? Por que eu demorei tanto para decidir vir até aqui? Esses são alguns questionamentos bem previsíveis de quem debuta neste canto do Oeste paranaense.

Não é à toa que atrai gente de todo lugar do mundo – e não é forçar a barra dizer isso, pois, sem esforço, se encontram alemães, russos e chineses nos ônibus ou nas ruas. Isso sem falar, claro, nos vizinhos argentinos e paraguaios. Foz do Iguaçu, logo, tem não tão surpreendentes ares bem cosmopolitas.

Apesar da viagem por vezes ser longa, a cidade não é grande. Mas nem por isso economiza em atrações. Foz é muito mais que “apenas” as cataratas. Logo ao lado delas, por exemplo, tem o Parque das Aves. Um recanto de mata atlântica que é um verdadeiro paraíso aos amantes das natureza. As aves, muitas vezes salvas de cativeiros e tratadas ali. Cantam como se estivessem em casa. E, de fato, estão.

Tem mais. Do canto oposto ao das cataratas há a Usina Binacional de Itaipu. Igualmente de grande magnitude, Itaipu é uma da provas das grandes intervenções que o homem pode fazer na natureza. O passeio completo explica como surgiu o local que produz 80% da eletricidade que o Paraguai usa e que leva luz a cerca de 30 milhões de brasileiros.

E se as cataratas se impõem pela força das águas, Itaipu – que em tupi significa “a pedra que canta” – se destaca por sua altura. A barragem chega a 196 metros de uma verdadeira maravilha da engenharia moderna.

Foz surpreende. E isso que neste post nem teria espaço para escrever sobre o templo budista, o marco das três fronteiras, a ponte da amizade. Todas atrações de uma cidade com menos de 300 mil habitantes, mas com muitos lugares para se conhecer e boas lembranças para oferecer.

Parque das Aves:

Vista da Garganta del Diablo, pelo lado argentino do Parque Naciona Iguazu:

 

_________
Você também pode ter sua viagem compartilhada aqui no blog!

Encaminhe seu texto e fotos pra gente no e-mail contato@passageira.com.br.

Sobre Andressa Griffante

Andressa Griffante é jornalista gaúcha, mora em Porto Alegre e uma viajante apaixonada por arte, história e cultura. Acredita que os lugares e as pessoas tem muito pra nos ensinar, e que nem sempre precisamos ir longe pra aprender com o mundo. Além de editora deste blog, é empreendedora online na agência RSbloggers - com a qual foi considerada uma das 30 pessoas mais influentes do mercado digital de 2016 pelo YouPIX.

Veja Também!

20170220_104825

BELO HORIZONTE – MG (2017)

As várias faces de Belo Horizonte! O colorido de seu mercado central, as atrações da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *