O que fazer em Ametista do Sul (RS)? Dicas atualizadas para seu roteiro!

Ametista do Sul, localizada no Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, é uma pequena cidade de pouco mais de 7 mil habitantes. Também é ali em que se concentra a maior exploração de pedra Ametista do mundo! Fator que colocou este pedaço de terra no Sul do Brasil no mapa do turismo nacional, quando diversos atrativos, passeios e experiências subterrâneas começaram a despontar na cidade, atraindo turistas de todo o país.

Se você chegou até este post é porque provavelmente pretende visitar a cidade! Se esse é o seu caso, vai aproveitar muito as dicas deste post. E se precisar de um atendimento mais personalizado e guiado para seu roteiro em Ametista do Sul, converse com a Andressa Zatti, que me ajudou muito na organização dos atrativos, sempre solícita e com as melhores recomendações de onde ir e como aproveitar ao máximo o meu tempo no destino.

O turismo em Ametista do Sul

A mineração nesta cidade se intensificou na década de 70, mas só nos últimos anos é que a cidade parece ter despertado também para o grande potencial turístico desta riqueza natural. E chamando atenção para a beleza não apenas de suas pedras ametistas, mas também pela paisagem, história e empreendedorismo de quem viu nas grutas e nas pedrarias outras possibilidades de negócios além da venda de cristais e do garimpo.

Hoje a cidade possui restaurantes dentro de minas desativadas, vinícolas que utilizam as cavernas como adega, visitas guiadas em minas desativadas, passeios de bugue, museus, trilhas, mirantes, pousadas e chalés recém construídos em meio à natureza, e inclusive atividades de aventura como o balanço do infinito, bike aérea e tirolesas.

Desde a primeira vez que conheci os atrativos da cidade, no final de 2020, sua infraestrutura já melhorou muito! E a boa notícia é que os investimentos continuam: como o término do asfaltamento na via que chega à cidade saindo de Frederico Westphalen, e as ampliações de vagas em pousadas, hotéis e casas para aluguel em aplicativos como Booking.com.

Confira as dicas do que conhecer em Ametista do Sul!

No centro da cidade: Igreja Matriz e sua Torre, letreiro e a Pirâmide Esotérica na praça central

No Centro de Ametista do Sul uma pirâmide chama a atenção e reúne turistas para fotos lindíssimas dentro deste monumento, que dizem ser um canalizador de energia.

Dentro da Pirâmide Esotérica, no centro de Ametista do Sul (2020). Foto: Passageira.com.br.

 

Ainda no Centro, aproveite para conhecer a Igreja São Gabriel – única no mundo revestida com 40 toneladas de pedra ametista!

Igreja São Gabriel, no Centro de Ametista do Sul. Foto: Passageira.com.br.

Ao lado da Igreja, uma imponente torre com um mirante que permite avistar a cidade e a praça principal do alto.

A Pirâmide Esotérica e letreiro da cidade vistos do alto da torre pertencente à Igreja Matriz de Ametista do Sul.

Restaurantes subterrâneos: GeoRestaurante Subterrâneo e Garimpo

Entre as experiências subterrâneas da cidade estão os restaurantes, que oferecem buffets variados de saladas, pratos quentes e sobremesas. Tudo servido dentro das rochas e, claro, com muita pedra ametista na decoração.

Estas minas gastronômicas, ainda que bem amplas, estão frequentemente lotadas. Por isso é recomendável reservar lugar com antecedência através de uma agência de turismo especializada ou chegar bem cedo para garantir mesa.

O restaurante do Geoparque Subterrâneo é um complexo ainda novo em Ametista do Sul e com diversas atrações subterrâneas, entre elas o restaurante, recém inaugurado (em julho de 2023).

Restaurante do Geoparque Subterrâneo.

 

Já o Garimpo Restaurante foi um dos primeiros restaurantes subterrâneos a inaugurar na cidade. Ele está localizado em outro complexo, o Ametista Parque Museu, que conta com várias outras atrações e experiências.

Garimpo Restaurante

Museus: Museu do Bambu e Museu de Mineralogia

Como todo destino turístico que se preze, em Ametista do Sul os visitantes também contam com museus, espaços para ampliar seu conhecimento.

Museu do Bambu

Talvez a única experiência em Ametista do Sul que não esteja relacionada à mineração seja o passeio no Museu do Bambu. O local aproveita a movimentação turística da cidade para levar adiante o conhecimento sobre essa gramínea, considerada nosso “aço verde”.

Com inúmeros benefícios e uma cultura já bastante difundida nos países asiáticos, o bambu ainda é pouco reconhecido no Brasil. Com o objetivo de ampliar e compartilhar seus conhecimentos sobre esta matéria-prima, o artista plástico Carlos Ciprandi criou o museu, que também serve como loja e atelier. Inicialmente estava localizado em Planalto/RS (onde ainda mantém seu ateliê), mas tendo em vista que o fluxo turístico de Ametista do Sul era mais estratégico para o negócio, o espaço ganhou novo endereço.

O Museu do Bambu convida os visitantes a um passeio pela cadeia produtiva e benefícios da planta, além de oferecer uma verdadeira aula de sustentabilidade. Por muitos ainda considerado “praga” (especialmente aqui no Brasil) o bambu é responsável por movimentar bilhões na economia chinesa, onde seus benefícios já são amplamente reconhecidos.

Considerado “aço vegetal”, o bambu serve de matéria prima para diversos objetos e também já é utilizado na construção civil. Com conhecimento e o correto manuseio, o bambu pode substituir, além do aço e o concreto, itens que hoje são feitos de materiais poluentes como o plástico. Também é fonte de carvão vegetal e repleto de nutrientes, podendo ser consumido como chá ou em conserva por exemplo.

O artista, entusiasta sobre o bambu e proprietário do museu, Carlos Ciprandi explica com muita paixão todas as suas descobertas sobre a planta e encara como sua missão desmistificar o tema.

Ao chegar, somos convidados a realizar um ritual asiático, passando um fio vermelho na canela em pó e então o amarrando no bambu com três nós (um para cada pedido). No final, uma lojinha repleta de objetos de bambu, desde itens de decoração e utensílios para a casa, quitutes doces e salgados feitos com a planta, bijuterias e até instrumentos musicais…

Os visitantes saem encantados com o universo de possibilidades do bambu. Conhecemos mais sobre os artigos que podem ser feitos desta gramínea e a cultura em torno dela. Passamos por instrumentos musicais feitos de bambu e outros como bicicleta, itens de cozinha, artigos decorativos, e muitos outros.

Ao final do passeio é possível tomar um chá de bambu, degustar quitutes doces feitos com o carvão deste vegetal e conferir diversos itens à venda na loja.

INGRESSO por pessoa no Museu do Bambu: R$ 20,00
Horários de funcionamento: Segunda a Sexta das 09:00 às 12:00 e das 13:00 às 17:00
E nos finais de semana e feriados sem fechar ao meio dia.

Museu de Mineralogia

Localizado dentro do complexo Geoparque Subterrrâneo, o Museu de Mineralogia conta como se dá o processo destas formações rochosas. Os visitantes são recebidos com um vídeo ilustrativo e depois podem andar pelo espaço conferindo painéis sobre a ciência dos minerais, mapa da região citando as pedras encontradas nesta área, além de poder identificar as características dos principais minerais encontrados.

INGRESSO por pessoa no Museu de Mineralogia: R$ 20,00
Mais informações em https://geoparquesubterraneo.com/

Enoturismo: Vinícola Ametista

Que tal uma vinícola que utiliza uma mina desativada no processo de produção de seus vinhos? Um dos diferenciais da Vinícola Ametista é o armazenamento dos produtos em uma antiga mina de extração de geodos, com cerca de 300 metros de profundidade – e onde temperatura e umidade são ideais para a maturação das bebidas.

Na visitação guiada percorremos diversas galerias subterrâneas com barricas, garrafas aguardando pelo processo de fermentação pelo método tradicional, além de mesas e bancos em pedras. No passeio o guia vai contando a história da vinícola, que iniciou como um pequeno projeto para consumo familiar e acabou agradando tanta gente que foi expandindo sua produção.

A visitação guiada funciona diariamente e custa R$25 por pessoa, incluindo passeio pela mina e finalizando com a degustação de cerca de 6 rótulos.

O melhor período para visitação é no fim da tarde, com uma bela vista para o Pôr do Sol. A vinícola também vende seus rótulos para o consumo no local, com direito a manta e balde com gelo. Os turistas sentam no belo gramado e degustam os vinhos apreciando a paisagem e as diferentes cores do fim do dia. Rende fotos lindíssimas!

Degustação no fim do dia na Vinícola Ametista

INGRESSO por pessoa na Vinícola Ametista: R$ 25,00 (inclui visita e degustação)
Mais informações em https://vinicolaametista.com.br/

Gostando das dicas? Se precisar de ajuda para o roteiro não deixe de entrar em contato com a AZ Turismo (neste link) para mais informações sobre o funcionamento de cada atrativo e também ajuda em como montar o melhor cronograma de visitações. Muitas experiências na cidade estão em fase final de construção e, portanto, ainda haverá mais a ser explorado no destino!

Experiência subterrânea: Garimpo Demonstrativo do Geoparque

Saber mais sobre a prática do garimpo, como era desempenhada antigamente e como o processo de extração evoluiu ao longo dos anos, entender melhor como garimpeiros identificam os locais com possíveis formações minerais e como procedem até a extração de fato. Esse é o objetivo da experiência de Garimpo Demonstrativo. Como o próprio nome já indica, se trata de demonstrar ao público um pouco do dia a dia desta atividade.

Na entrada para o Garimpo Demonstrativo do Geoparque Subterrâneo.

Os visitantes vivenciam um pouco de como é o trabalho de um garimpeiro, aprendem sobre a história da mineração, seus aspectos culturais, ambientais e econômicos.

 

Ainda no Geoparque Subterrâneo os mais aventureiros podem fechar o dia de passeio apreciando a vista pedalando em uma bike suspensa ou ainda se embalando no Balanço do Infinito. Este último eu testei e, embora eu seja meio medrosa pra esse tipo de atividade, posso dizer que passado o susto inicial o balanço é uma delícia!

A Bike Aérea também é outra atividade dentro do complexo Geoparque.


Saiba mais sobre os atrativos nas redes sociais:
Vinícola Ametista – https://www.instagram.com/vinicolaametista/
Geoparque Subterrâneo (Restaurante, Museu de Mineralogia, Garimpo Demonstrativo, Bike Aérea, Balanço do Infinito e outros)
 https://www.instagram.com/geoparquesubterraneo/
Garimpo Restaurante
https://www.instagram.com/garimporestaurante/
Museu do Bambuhttps://www.instagram.com/museudobambu/

Guia turística e receptivo em Ametista do Sul – Andressa Zatti da AZ Turismo – https://www.instagram.com/andressa.zatti.turismo/


Outras experiências e lugares para conhecer em Ametista do Sul:

Complexo Ametista Parque Museu: Museu das pedras, cervejaria, mirante, passeio motorizado às galerias de uma mina desativada e o restaurante Garimpo!

No complexo em que está o Garimpo Restaurante, aproveite para conhecer a única produção cervejeira dentro de uma caverna e o museu com acervo de minerais de diversas partes do mundo. O Ametista Parque Museu também tem visitação a uma mina desativada, tirolesa, mirante e lojas com diversos itens decorativos e joias feitas com os diferentes minerais.

O acervo o museu é considerado a maior coleção de minerais da América Latina. Possui mais de 2 mil exemplares de pedras preciosas raras, a maioria encontrada em garimpos da região, entre eles a Ametista mais valiosa já encontrada até hoje pesando 2.5 toneladas, e um Meteorito de 140 kg.

Ao fundo do museu, já seguimos por túneis subterrâneos que desembocam em lojas de queijos, vinhos, chocolates e na Mina Beer Cervejaria.  Uma atração a parte aos cervejeiros de plantão! A produção é toda dentro da mina. Esta é a primeira microcervejaria subterrânea do mundo! Um pub muito charmoso está todo montado no mesmo local.

Ali os visitantes podem sentar, curtir uma música, beber muita cerveja (claro!), assistindo à produção cervejeira num ambiente envidraçado logo ao lado.

Complexo Belvedere: Restaurante subterrâneo, Piscina aquecida subterrânea, Tirolesa, Visita à Mina em atividade, Hotel e Chalés.

Piscina aquecida subterrânea. Quem não está hospedado pode pagar à parte para utilizar. Foto de 2020. Passageira.


E onde se hospedar em Ametista do Sul?

Quando estive na cidade no final de 2020 foi difícil achar hospedagens com vagas disponíveis. Acabamos encontrando, eu e a minha família, um quarto disponível na Pousada da Professora Lurdinha, que recomendo pela hospitalidade e localização central. E o local ainda conta com piscina e uma vista linda!

Já nesta minha visita mais recente à cidade, com as amigas, nos antecipamos na busca por acomodação e acabamos optando, muito acertadamente, pela Pousada Cristal. Com uma recepção muito simpática do anfitrião Osvaldo, os visitantes se sentem em casa, com ambientes limpos, confortáveis, áreas comuns, estacionamento, café da manhã delicioso e tudo isso em uma ótima localização, bem no centro da cidade.

 

Aproveite para verificar a disponibilidade de estadia no seu período de viagem para Ametista:



Booking.com


Gostaram das dicas?

Se precisarem de ajuda com o roteiro por Ametista do Sul, mandem mensagem para minha xará Andressa, da AZ Turismo: clique aqui para conversar com ela!

Beijos e até o próximo destino!
Andressa Griffante

6 Comments

  1. Rogério Mendonça

    Que competência!!!!
    Parabéns pela apresentação! Senti-me um morador de Ametista de tanto detalhe e dica precisa sobre como aproveitar esse passeio!

    1. Andressa Griffante

      Que bom saber Rogério! Obrigada pelo feedback!
      É recompensador poder levar informações que ajudem outros viajantes!
      Abraço!

  2. Dóris Dall Agnol

    Olá!!
    Gostaria de uma opinião.
    Qts dias ficar em Ametista?
    Obrigada

    1. Andressa Griffante

      Olá! O ideal seria pelo menos 4 dias, aproveitar um feriadão por exemplo. Em um final de semana já dá pra conhecer bastante, mas é corrido e em alguns atrativos é melhor ter mais tempo para desfrutar com tranquilidade.

  3. Valéria

    Qual a melhor época para ir?

    1. Andressa Griffante

      Oi Valéria! Eu já fui em outubro e em julho e consegui aproveitar bem nesses dois períodos do ano. Em feriadões os hotéis ficam mais lotados, então sugiro apenas cuidar para ter antecedência na reserva de hospedagem. Mas basicamente é um destino que podemos aproveitar durante todo o ano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A Passageira

A Passageira

Andressa Griffante é Jornalista, especialista em Marketing de Conteúdo e Influência, e uma viajante apaixonada por arte, história e cultura. Acredita que os lugares e as pessoas tem muito para nos ensinar, e que nem sempre precisamos ir longe para aprender com o mundo.

Que valoriza a liberdade de viajar sozinha e o aprendizado de se perder de vez em quando. Gosta de planejar cada passo de uma viagem com antecedência, mas às vezes se joga numa trip de última hora. Quer aproveitar a vida ao máximo e compartilhar seus caminhos, afinal, estamos todos aqui de passagem…