“Sempre Cidade Baixa e Sempre Centro”: projeto divulga diversidade de bares e restaurantes dos bairros boêmios de POA

Divulgação / PMPA

Mais de 20 empreendedores do segmento de gastronomia e entretenimento dos bairros Cidade Baixa e Centro Histórico se uniram em um projeto realizado pelo Sebrae RS, cuja proposta é organizar e promover experiências a turistas e moradores da Capital. Sempre Cidade Baixa e Sempre Centro são os nomes da iniciativa, que estimula o turismo interno e destaca o melhor de diversos estabelecimentos que já são referência em Porto Alegre, através de roteiros temáticos.

Foto de Anelise Zanoni

De acordo com Lissandra Monza, Analista de Articulação de Projetos do Sebrae, o objetivo da ação é poder mostrar para Porto Alegre e para quem vem de fora o que há para fazer na Cidade Baixa e no Centro Histórico. Especialmente após os últimos acontecimentos trágicos que atingiram o Estado, um mix de sentimentos toma conta dos porto-alegrenses, mas com a certeza de que todos nós somos personagens importantes para a retomada do turismo e do consumo local. Por isso, o projeto propõe rotas para todos os gostos e perfis de clientes, que perpassam por 22 negócios, incentivando-os a conhecer novos lugares ou revisitar os já conhecidos. É uma convocação para que todos aproveitem os atrativos dos dois bairros e ajudem na sua divulgação.

Foto Anelise Zanoni

De acordo com Anelise Zanoni, consultora de turismo e coordenadora do projeto junto ao Sebrae RS, o Sempre Cidade Baixa e Sempre Centro é um convite para todos circularem pelos bairros e experimentarem os diferentes estilos e sabores locais. “Criamos roteiros com temáticas distinta, para que todos tenham novas ideias do que fazer e onde comer. Além disso, é uma oportunidade de revisitar lugares“, explica Anelise.

Conforme Joaquim Ulisses de Araújo Santos, presidente da Associação Comercial dos Comerciantes da Cidade Baixa, a atmosfera democrática de ambos os bairros é ideal para fazer refeições, descontrair, escutar boa música, encontrar amigos e aproveitar o que cada empreendimento tem de melhor. É preciso rever amigos para conseguir, inclusive, focar na retomada de cada um de nossos negócios e, por consequência, na normalização da cidade“, comenta Joaquim. Para Moacir Biasibetti, do Via Imperatore, cada uma das casas participantes tem algo único e todas estão aptas, completamente higienizadas, seguras e prontas a receber. “Há segurança pública nos bairros, segurança alimentar nas cozinhas, ânimo entre os garçons, alegria entre os músicos e DJs. Todos estão com muita vontade de proporcionar o melhor aos visitantes“, convoca.

Foto: Cesar Lopes / PMPA

Como funcionará o projeto – Os 22 empreendimentos participantes estão divididos em sugestões de roteiros temáticos e o público está sendo convocado a criar sua própria rota e compartilhar nas redes sociais com as hashtags #SempreCidadeBaixa e #SempreCentro. A ideia é que cada um atraia mais pessoas a colaborar com este verdadeiro movimento de divulgação aos pequenos negócios.

Os roteiros foram montados conforme os maiores interesses dos frequentadores:  Botecando – Música e Petiscos;  Caminho Gastronômico; Happy Hour com os Amigos; Diversão até mais Tarde; Sabores e Culturas; e Sempre Clássicos (do Centro Histórico e da CB). 

Conheça os roteiros criados a partir da adesão de 22 bares e restaurantes ao projeto SEMPRE CIDADE BAIXA, SEMPRE CENTRO:

  1. BOTECANDO: MÚSICA E PETISCOS: :Boteco Matita Perê, Boteco Exportação, Povoada Gastrobar e Tan Tan Bar e Restaurante
  2. CAMINHO GASTRONÔMICO: Via Imperatore, Cotiporã, Nicu’s e Cavanhas
  3. HAPPY HOUR COM OS AMIGOS: :: Boteko República, Boteco do Joaquin e Low Town BrewPub
  4. DIVERSÃO ATÉ MAIS TARDE: Bar Cucko, InSano Bar e Cavanhas
  5. SABORES & CULTURA: Armazém Poa, Bar Spoiler, Espaço 512 e Brita Bar
  6. SEMPRE CLÁSSICOS DO CENTRO E DA CIDADE BAIXA: Barco Noiva do Cai II (em breve), Gambrinus e Venezianos Pub, Bar Café (em breve)

Veja a descrição dos roteiros:

Roteiro “Botecando: Música e Petiscos”

Nas ruas em que transitaram figuras como o gênio Lupicínio Rodrigues e o inesquecível jogador Tesourinha, em que os batuques e outros ritmos africanos faziam par com as cantorias dos imigrantes europeus, o que não falta, vamos combinar, é música boa.

E o que pode ser mais apropriado para acompanhar esse som bem brasileiro do que uma comida de boteco? Com opções variadas, desde o line-up das atrações que se revezam nos palcos dos bares até as opções para maravilhar o paladar, o circuito de botecos da Cidade Baixa é diversão na certa.

Veja quais são os empreendimentos sugeridos neste roteiro:

– Boteco Matita Perê

Um dos bares mais tradicionais e queridos da Cidade Baixa, o Matita Perê oferece tudo o que é bom: música brasileira, com pegada forte no samba, e petiscos com um toque autoral. É o caso da Couve da Matita, uma feijoada desconstruída em forma de bolinho que tem tudo o que o prato deve ter, com formato e sabores inovadores. Para acompanhar, uma carta de drinks e cervejas especiais vai bem. Para quem quer se aventurar em novas experiências, a casa propõe uma degustação de cachaças que revela as nuances da mais brazuca das bebidas.

Rua João Alfredo, 626 – Cidade Baixa
Horários: quinta à sábado, a partir das 18h30min (Almoço de segunda à sábado, das 11h30min às 14h30min)

– Boteco Exportação

Um dos locais preferidos da galera do samba e do pagode, o Exportação é um ponto de encontro dos grupos musicais que se dedicam ao gênero. Todos os dias, a partir das 20h30min, a banda do dia faz a animação de quem está por ali desde a happy hour, harmonizando a noite de som com petiscos e chope. Pra beliscar, as mais pedidas são as tábuas em que o cliente escolhe a carne, que vem com acompanhamentos como batatinhas fritas e conservas. Para quem gosta de variar o paladar, o filé ao roquefort é uma marca registrada da casa. O Exportação já retomou a programação da sua tradicional feijoada do meio dia de domingo. A próxima está marcada para o dia 7 de julho e será animada pelo Consulado da Portela.

Rua General Lima e Silva, 898 – Cidade Baixa
Horário: terça a domingo, das 18h às 2h30min – a música normalmente começa às 20h30min

– Povoada Gastrobar

O talento feminino está em todos os espaços. Assim é o Povoada Gastrobar, casa administrada por mulheres, que valoriza o samba e a música brasileira – quase sempre, nas vozes femininas e nos instrumentos tocados por mulheres. O bar tem a atmosfera aconchegante de um encontro de amigos. No cardápio, o destaque é a pizza (a mais pedida e popular é de gorgonzola, cebola no shoyu e mel) e a cerveja artesanal. Entre os drinks, uma releitura do tradicional Macunaíma faz sucesso: cachaça envelhecida no barril de bálsamo, limão siciliano, fernet e açúcar.

Rua Lopo Gonçalves, 378 – Cidade Baixa
Horário: quintas, sextas, sábados e domingos a partir das 18h

– TanTan Bar e Restaurante (em breve)

Rua José do Patrocínio, 592 – Cidade Baixa

Roteiro “Caminho Gastronômico”

Você é do signo de fome com ascendente em vontade de comer? Então o seu roteiro envolve os variados sabores do Centro Histórico e da Cidade Baixa. A mistura de influências de muitas etnias e culturas criou um microuniverso em que os paladares guiam uma experiência nova e tradicional ao mesmo tempo. Tem sabor italiano, português, contemporâneo e, claro, o mais autêntico e adorado cardápio gaúcho. Que comecem os furos na dieta.

– Via Imperatore 

Um túnel do tempo se abre quando a porta do Via Imperatore se fecha atrás de nós. Voltamos aos tempos da imigração italiana no Rio Grande do Sul, com velhos objetos de decoração garimpados em casas e antiquários. No bufê, as caponatas, os pães, os queijos e os embutidos coloniais nos remetem às mais ternas memórias.

Massas e grelhados no ponto certo completam os banquetes do dia a dia, que ganham requintes nos finais de semana. É uma festa gastronômica com sabor e exuberância. E, por falar em festa, a casa abre uma quinta-feira por mês para a Quinta Italiana, em que comidas e bebidas são liberadas e a música tradicional faz a alma viajar para o Velho Continente.

Rua da República, 509 – Cidade Baixa
Horário: de terça a sexta, das 11h às 15h. Sábados e domingos, das 11h às 16h.

– Cotiporã

Sabe aquele restaurante minimalista, com receitas vanguardistas em porções diminutas? Não te preocupa, esse não é o Cotiporã. Por aqui, tudo é generoso e carregado de sabor. Um sabor que a gente sabe muito bem de onde vem. Quer um exemplo? Poucas comidas oferecem tanto conforto quanto a Picanha a Cotiporã, que vem grelhada na medida, em fatias, acompanhada de arroz, salada e batata frita. Prefere um petisco? Então deixe a vida te levar em um sanduíche aberto, desses bem tradicionais, com presunto, queijo, pickles e ovinhos de codorna. Para acompanhar os banquetes, além de vinhos, cervejas e sucos, o local ainda transmite jogos.

Rua Lima e Silva, 325 – Cidade Baixa
Horários: De domingo a quinta, das 11h às 2h. Sextas e sábados, das 11h às 3h.  

– Nicu’s

Alguém aí falou em torta fria? Bife à milanesa, daqueles com a casquinha crocante? Ou um tatu recheado? E na sobremesa, de que lado você está? Pudim ou torta de bolacha? Disparou gatilho? Esse é o objetivo do Nicu’s Bar e Restaurante, que funciona na Cidade Baixa desde 1987 oferecendo a mais caseira das comidas. No sistema de bufê, o comensal fica meio indefeso diante de tantas opções afetivas e saborosas. Por isso, a chance de exagerar no prato é grande. Sorte que a opção de se servir livremente existe.

Rua Lima e Silva, 601 – Cidade Baixa
Horário: De segunda à sexta, das 11h às 15h. Sábados e domingos, das 11h às 15h30min.

– Cavanhas

Quem nasceu no Estado ou adotou o Rio Grande do Sul como lar conhece uma verdade incontestável: existirão mil sanduíches, dez mil hambúrgueres gourmet, mas nada superará a majestade de um xis. E, quando o assunto é o lanche gaúcho, ninguém bate o tradicionalíssimo Cavanhas, que há 40 anos dança com os sabores mais afetivos para criar os lanches que ganharam o coração de quem circula em Porto Alegre. O cardápio das unidades do Cavanhas é extenso, mas há clássicos, como o xis coração e o bauru de filé.

Rua Lima e Silva 373 – Cidade Baixa
Horário: Segunda a quinta, das 17:30 à 1h. Sexta e sábado, das 17h30min às 5h. Domingos, das 17h30min à 0h30min.

Roteiro “Happy Hour com os amigos”

Não precisa sextar pra gente sentar com os amigos e jogar uma conversa fora, curtir uma bebida agradável e uma comida acolhedora. Aliás, momentos como esses deveriam ser obrigatórios na vida de qualquer trabalhador brasileiro. A Cidade Baixa é o paraíso para aqueles que não acreditam que a felicidade só seja possível no fim de semana e, com o seu grupo de amigos, desafiam as leis da preguiça e enfrentam a happy hour com entusiasmo.

– Boteko República

Comer uma boa comida, bater um papo com os amigos, jogar um bilharzinho e ainda espiar o desempenho do futebol. Assim é o Boteko República, que abre para o almoço e passa o dia matando a fome de quem não dispensa uma pizza crocante servida na pedra, um entrecot acebolado ou bife à parmegiana carinhosamente circundado por uma generosa e sequinha porção de batata frita. As mesas de bilhar ficam disponíveis para os clientes a partir das 18h, por ordem de chegada, e sua utilização custa R$ 30.. Os jogos da dupla Gre-Nal são transmitidos ao vivo, mas com as TVs sem som, pra não atrapalhar o papo.

Rua da República, 429 – Cidade Baixa

Horário: De terça a domingo, a partir das 11h, abre para o almoço. Fecha à meia noite. Também fecha no último domingo de cada mês.

– Boteco do Joaquim

As mesas de madeira e a decoração intimista do Joaquim convidam para um papo com os amigos. E nem precisa interromper a conversa para pedir o chope, já que os garçons circulam com os copos já servidos, prontos para satisfazer a sede de quem está por ali. Para acompanhar uma boa companhia, a comida tem que estar à altura: farta e saborosa.

Com cerca de 70% do cardápio composto exclusivamente por produtos gaúchos, saborear as iguarias do Joaquim é como sentir-se em casa. Só que com toda a mordomia. Os pratos que vêm fumegando para as mesas, ou as porções que satisfazem até a mais exagerada das fomes, são os coadjuvantes perfeitos para que o final de mais um dia seja, de fato, feliz.

Rua Joaquim Nabuco, 350 – Cidade Baixa
Horário: Domingo, das 15h à 1h. Segunda, das 16h à 1h. Terça e quarta, das 16h às 2h. De quinta a sábado, das 16h às 2h30min

– Boteco Pedrini

A marca é uma instituição de Porto Alegre e deixa a Cidade Baixa ainda mais tradicional e hospitaleira. Não tem erro: onde vamos para comer uma comida saborosa e farta e beber na companhia dos amigos em um dia qualquer? Pedrini. Desde 1960 os porto-alegrenses sabem que a casa é sinônimo de encontro descomplicado e aconchegante. Um dos destaques do cardápio são as pizzas na panela, de variados sabores, que vêm, literalmente, dentro de uma panela para a mesa, o que mantém a iguaria quentinha mesmo quando todo mundo intercala as fatias com as pausas para a conversa. Os filés servidos como refeições ou os pratos de petiscos também são famosos. Para beber, é só escolher entre chopes, cervejas, drinks com ou sem álcool e vinhos.

Rua General Lima e Silva, 431 – Cidade Baixa

Horário: Segunda e terça, das 16h às 3h. Quarta e quintas, das 16h às 4h. Sexta e sábado, das 16h às 5h.

– Low Town BrewPub

A pequena porta envidraçada de onde se enxerga o balcão e os tanques é uma microcervejaria que abriu as portas em setembro de 2023. Com capacidade de produzir quatro mil litros por mês, a Low Town é fruto do sonho de um empreendedor que já fabricava sua cerveja e desejava compartilhar esse processo com outros apaixonados pela bebida feita de modo artesanal e autoral. Para compartilhar dessa atmosfera com os amigos, basta chegar, pedir uma das opções disponíveis nas torneiras e, pronto. No local são fabricados seis tipos de cerveja (pilsen, dunkel, weiss, APA, IPA e Red Ale), além de dois tipos de vinho frisante, trazido da Serra Gaúcha e gaseificado ali mesmo. Como o espaço disponível é todo dedicado à fabricação da cerveja, não há cozinha. Mas os frequentadores não passam vontade. Por meio de uma parceria, estabelecimentos vizinhos entregam pizzas, petiscos e outros lanches no pub.

Rua Sarmento Leite, 929 – Cidade Baixa
Horário: De terça a domingo, das 17h à meia noite.

Roteiro “Diversão até mais tarde”

Uma deusa certa vez disse: “A tarde cai e a noite vem atropelando todos os chatos desanimados. Tá na hora de acordar e sair e ver que a vida é se divertir”. E, se na letra da canção de Fernanda Abreu os holofotes vasculham em busca de um local para dançar e barbarizar, é por que eles não focaram em direção à Cidade Baixa. Caso contrário, já teriam encontrado. Basta uma rápida olhada para ver que os guerreiros da noite têm muita opção no reduto das festas e da diversão, onde não existe diferença entre o bem e o mal.

– Bar Cucko

Encontrar os amigos, dançar, quem sabe encontrar aquela pessoa especial? Tudo é possível na Cucko, boate voltada para o público jovem, que curte funk, rap, hip hop, pop e até o saudoso movimento emo, que tem lugar cativo no coração dos “cuckers”. Para beber, a oferta é tão variada quanto os estilos musicais que saem das pick-ups do DJ. Destaque para os drinks autorais como o #freebritney, preparado com vodka, limão, suco de cranberry, espumante brut e glitter.

Se você tem mais de 30 anos, é possível que não pegue a referência do nome da bebida. A carta também oferece drinks clássicos, cervejas artesanais e longnecks, doses e espumantes. E, sim: tem petiscos pra ninguém ficar com fome no rolê.

Rua General Lima e Silva, 1037 – Cidade Baixa
Horário: De quinta a sábado e nas vésperas de feriados, das 22h às 6h.

– InSano Bar

Se era música boa o que faltava pra incentivar você e seus amigos a curtirem a noite, no InSano não falta mais. O bar já é tradicional na Cidade Baixa e tem uma programação eclética, capaz de agradar as gerações menos jovens. Bandas de pop e rock dividem espaço com as festas temáticas de clássicos dos anos 80 e 90, praticamente irresistíveis para quem já passou dos 30. E, aos domingos, uma roda de samba toma conta do bar com o melhor da música brasileira, na interpretação do Samba Feijão com Arroz. Para beber, drinks clássicos, cervejas e as irresistíveis doses de cachaça que levantam o astral de qualquer um.

General Lima e Silva, 621 – Cidade Baixa
Horário: De terça a domingo, a partir das 18h.

– Cavanhas

A curtida da noite exauriu as suas forças? A fome não vai te deixar dormir? Para os guerreiros que precisam repor as calorias perdidas entre danças e amores, o Cavanhas tem o banquete à altura do desafio. As variadas opções de xis e pizzas fazem boa figura diante de qualquer situação: entusiasmo ou decepção com o resultado da balada, tanto faz. Um xizão no capricho compensa tudo. E para quem quer uma refeição completa, os pratos como filés e ala minutas dão conta do recado.

Rua General Lima e Silva, 274

Horário: Segunda à quinta, das 17h30min à 1h. Sexta e sábado, das 17h30min às 5h. Domingo, das 17h30min à 0h30min.

Roteiro “Sabores & Cultura”

Se é verdade que Porto Alegre tem uma cena cultural vibrante e diversa, também é verdade que tudo começou no Centro Histórico e na Cidade Baixa, redutos originais que presenciaram o florescer da arte na cidade. Seja qual for a referência, é possível viver experiências que se originam dessa cena cultural, valorizando os sítios e a própria arquitetura da Capital. Bares e espaços culturais mantém suas portas abertas para que todo mundo possa desfrutar do bálsamo que a arte, em suas muitas manifestações, pode proporcionar.

– Armazém Poa

Localizado em um dos pontos turísticos mais icônicos de Porto Alegre, o Armazém POA se identifica com a pegada boêmia do Centro Histórico e atrai o público que circula nos espaços culturais como o Theatro São Pedro e o Teatro de Arena. Um dos primeiros bares a servir cervejas artesanais, tem na carta de bebidas um atrativo especial. Ah, e para os apreciadores das raízes gaúchas, sempre tem uma pinga de butiá feita na casa. Para comer, pizzas e paninis são a pedida. A decoração foi garimpada pelo proprietário e remonta as suas origens, na Zona Sul de Porto Alegre. Eventualmente, músicos de jazz ou outro estilo (sem percussão) fazem som intimista na calçada, prolongando a noite. Um dos eventos mais tradicionais organizados pelo Armazém é a Feijoada na Escada, realizada na escadaria do Viaduto, em alguns sábados.

Viaduto Otávio Rocha, Avenida Borges de Medeiros, 788 – Centro Histórico
Horários: De terça a sábado, das 18h às 23h

– Bar Spoiler

É fã de séries? Então você precisa frequentar o Bar Spoiler, inspirado na temática dos seriados e até de alguns campeões de bilheteria dos cinemas. Nada está ali por acaso, desde a decoração até o cardápio de comidinhas e drinks. É como um bom roteiro, cheio de surpresas que te deixam cada vez mais envolvido na história. Está curtindo a nova temporada de Bridgerton? Então peça logo o drink Fofoca Real, preparado com gin, infusão de chá earl grey e xarope de tangerina. Prefere uma pegada mais alternativa, como Stranger Things? Mande vir um Dart, preparado com rum infusionado em hibisco, aperol e xarope de melancia. Para comer, que tal um romance de máquina do tempo com o hambúrguer Claire, personagem de Outlander, feito com um mix de costela e linguiça, geleia de pimenta e crispy de couve? Porém, tome cuidado ao entrar no local. Como diz o nome do bar, você pode encontrar informações sobre o final da sua série escondidas no drink.

Rua General Lima e Silva, 1058 – Cidade Baixa
Horário: De terça a quinta, das 18h às 23h30min. Sexta, das 18h à 1h30min. Sábados e véspera de feriados, das 17 à 1h30min. Domingo, das 17h às 23h30min. 

– Espaço 512

Local de programação variada, sempre envolvendo música ou dança, o Espaço Cultural 512 é também bar e restaurante que acolhe quem busca cultura, arte e diversão. A casa de shows recebe músicos consagrados de diversos estilos, assim como oficinas, cursos e workshops dedicados a modalidades artísticas múltiplas. Nesta temporada de inverno 2024, o cardápio está reduzido, mas as pizzas e os escondidinhos continuam fazendo jus à fidelidade de quem já os provou. Além de receber artistas e seus fãs, o 512 também é um local bastante procurado para festas particulares e corporativas, pelo conforto que oferece aos organizadores.

Rua João Alfredo, 512 – Cidade Baixa
Horário: De sexta a domingo (horário de abertura varia conforme a programação).

– Brita Bar

Espaço alternativo e aberto, o Brita Poa é pura inclusão e variedade. Além do público LGBTQIA+, que é fiel ao local, os amantes da comida simples e criativa encontram deleites no cardápio, como o hambúrguer vegetariano de moranga ou o pudim de leite condensado servido no potinho – um mimo. Além das cervejas artesanais e dos drinks, o pessoal também pode curtir sem culpa bebidas de gosto duvidoso, como o eterno e insubstituível quentão, e atividades de gosto igualmente duvidoso, como o divertidíssimo bingo. Pet friendly, o Brita é comandado pelo gato Brito, que não é obrigado a nada, mas está sempre por ali dando as boas-vindas aos visitantes.

Rua General Lima e Silva, 1037 – Cidade Baixa
Horário: Abre às 18h.

Roteiro “Sempre Clássicos do Centro e Cidade Baixa”

:: Gambrinus (mercado publico) – em breve
:: Barco Noiva do Cai II (orla) em breve
:: Venezianos Pub, Bar Café (travessa venezianos) –
em breve

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A Passageira

A Passageira

Andressa Griffante é Jornalista, especialista em Marketing de Conteúdo e Influência, e uma viajante apaixonada por arte, história e cultura. Acredita que os lugares e as pessoas tem muito para nos ensinar, e que nem sempre precisamos ir longe para aprender com o mundo.

Que valoriza a liberdade de viajar sozinha e o aprendizado de se perder de vez em quando. Gosta de planejar cada passo de uma viagem com antecedência, mas às vezes se joga numa trip de última hora. Quer aproveitar a vida ao máximo e compartilhar seus caminhos, afinal, estamos todos aqui de passagem…