Vinho Verde: nova sensação da vinicultura

Compartilhe esta página
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Já ouviu falar no Vinho Verde? Embora já exista faz tempo, eu nunca tinha escutado sobre ele até recentemente! A bebida já é “queridinha” na Europa e aos poucos ganha adeptos no Brasil.

Localizada ao Noroeste de Portugal, a Região dos Vinhos Verdes é considerada uma das maiores e mais antigas regiões vitivinícolas do mundo. Movimenta milhares de produtores, produzindo vinhos sob a denominação de origem Vinho Verde, considerados únicos no mundo.

Sensação na década de 1970 e até hoje considerado sinônimo de vinho português, o Vinho Verde voltou a chamar atenção dos amantes de vinhos, se desenvolveu e ganha força principalmente nos dias quentes, acompanhando refeições leves. O termo Vinho Verde remete às características naturais da região que o produz, densamente verdejante, mas também para o próprio perfil do vinho, que pelo seu frescor, aroma e leveza, além do baixo teor alcoólico, se diz verde em alusão à sua juventude, leveza e por oposição a outros vinhos mais complexos e encorpados. Portanto, há opções de vinhos verdes brancos, rosés, tintos e, até mesmo, espumantes.

Arquiteto argentino Abel Blumenkrantz, por exemplo, que desembarcou no Paraná em abril desse ano. Ele veio coordenar os planos de expansão da importadora Garage Vinhos, empresa fundada por dois argentinos em 2004. Executivo de expansão da empresa, ele coordena a filial de Curitiba. Curitiba, 10/11/2017. Foto: José Fernando Ogura/SEAE
Abel Blumenkrantz, por exemplo, da importadora Garage Vinhos. Foto: José Fernando Ogura/SEAE

Com tantas curiosidades sobre a bebida, o especialista Abel Blumenkrantz, executivo da Garage Vinhos, explica as principais características dos vinhos verdes e indica a bebida para quem procura momentos descontraídos e um estilo de vida saudável.  “Estamos tratando de um vinho jovem, o nome também diz respeito à maturidade dele. Ele está pronto para consumo sem ter passado por períodos de maturação. Diferente dos vinhos tradicionais, que tendem a ter uma taxa mais baixa no teor de acidez, o vinho verde torna-se único justamente por isso, junto do frescor marcante”, comenta.

Para o especialista, outro grande diferencial dos vinhos verdes fica por conta de sua versatilidade em harmonizações gastronômicas. “O Vinho Verde é extremamente versátil e tem poucas calorias. É ideal para acompanhar saladas, mariscos, peixes, carnes de aves e gastronomia oriental. Harmonize sem erros com mexilhões gratinados, salada de cogumelos frescos, salmão defumado, dourado grelhado, robalo ao forno, polvo assado, peito de pato e sushi”, sugere o especialista.

Com o consumo crescendo no Brasil, os vinhos verdes já podem ser encontrados com facilidade nas prateleiras de supermercados e casas de vinhos. De acordo com Abel Blumenkrantz, o vinho Costa do Sol (preço sugerido de R$ 39,90) é uma ótima opção para quem quiser conhecer as principais características do estilo. “Com aromas de frutas e toque cítrico, esse vinho possui um paladar leve e frutado. Fácil de beber e de harmonizar, perfeito para momentos de descontração, como à beira da praia ou da piscina, esse rótulo é produzido na Denominação de Origem Controlada Vinho Verde, em Portugal. Com um estilo que expressa a tipicidade do terroir, o Costa do Sol é uma ótima opção para os dias mais quentes do ano”, completa.

Informações via assessoria de imprensa