Arte brasileira projetada em prédios de 11 países, dia 11/dez

Compartilhe esta página
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

Em 2020, ano em que o Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira chegaria a sua 14ª edição, o festival optou por postergar o evento para 2021, em razão da pandemia, mas encerrará o ano com uma programação especial. Na sexta-feira, 11 de dezembro, em 19 cidades de 11 países, ocorre o Cine Esquema Novo de Janelas Abertas – Arte Audiovisual Brasileira: projeções de sete obras de 9 artistas brasileiros a partir de espaços privados e pessoais, tendo como tela espaços externos de diferentes cidades de 4 continentes.

Para a realização deste programa, que ocorrerá às 20h30min (horário local), uma rede de parceiros foi acionada, que conta com mais de 30 projecionistas, e cada projeção contará com as especificidades locais. As projeções em prédios, casas e paredes externas possuem uma condição em comum: as exibições das obras serão realizadas de forma que o público será aquele que estiver ao redor da localização, evitando que a atividade gere aglomeração.

Desde sua primeira edição, o CEN oferece uma programação que preza pela produção audiovisual para além-fronteiras, sendo pioneiro ao exibir obras que circulam em salas de cinema e espaços expositivos. “Entendendo o momento delicado que atravessamos, optamos por realizar uma edição extraordinária, que conta com 9 cidades brasileiras (Porto Alegre, Uruguaiana, São Paulo, Rio de Janeiro, Niterói, Natal, Fortaleza, Belém e Porto Velho) e em 10 cidades de quatro continentes: Barcelona (ESP), Buenos Aires (ARG), Lisboa (POR), Amsterdã (NED), Sydney (AUS), Cidade do México (MEX), Assunção (PAR), Nahariya (ISR), Joennsu (FIN) e Berlim (GER)”, revela a curadoria, formada por Jaqueline Beltrame e Gustavo Spolidoro, curadores do CEN, e as artistas Janaína Castoldi e Kamyla Claudino Belli.

As exibições incluem obras dos artistas Anne Magalhães, Denilson Baniwa, Gustavo Jahn, Luiz Roque, Renato Heuser, Rubiane Maia e Manuel VasonWelket Bungué e Daniel Santos. O programa teve como ponto de partida uma sensação que o grupo de curadores buscou transmitir: liberdade. “Essa liberdade pode ser a que a natureza transmite, e que sentimos tanta falta quando em isolamento durante a pandemia; pode ser a liberdade de ser quem se é; a liberdade de se abrir uma janela e olhar as nuvens, bater uma panela, conversar com um vizinho, ver uma visita, projetar um filme. Que as janelas sempre estejam abertas”, explicam os curadores.

Cine Esquema Novo de Janelas Abertas – Arte Audiovisual Brasileira

11 de dezembro, 20h30 (horário local):

Em Amsterdã, Assunção, Barcelona, Belém, Berlim, Buenos Aires, Cidade do México, Fortaleza, Goiânia, Joennsu, Lisboa, Nahariya, Natal, Niterói, Porto Alegre, Porto Velho, Rio de Janeiro, São Paulo, Sydney e Uruguaiana.

Com projeções das obras:

“ALVORADA”, de  Luiz Roque, 2014
“INTERVENÇÃO JAH”, de Welket Bungué e Daniel Santos, 2019
”TAPETE MÁGICO”, de Gustavo Jahn, 2006
“PREPARAÇÃO PARA EXERCÍCIO AÉREO, A MONTANHA”, de Rubiane Maia e Manuel Vason, 2016
”O SOL NASCERÁ”, de Denilson Baniwa, 2020.
”PRÓLOGO/MONOLITO”, de Renato Heuser, de 2003.
“ME GRITARAM NEGRA”, de Anne Magalhães, 2019.

Mais informações no site e perfis nas redes sociais do festival: www.cineesquemanovo.org, www.facebook.com/cineesquemanovocen e @cineesquemanovo

 

Imagens e informações via assessoria de imprensa