Livro de sonetos de Carlos Saldanha Legendre é lançado no Theatro São Pedro, em Porto Alegre

Compartilhe esta página
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram

No dia 3 de abril, o escritor gaúcho Carlos Saldanha Legendre lançará seu 5º livro, o primeiro formado exclusivamente por sonetos. A sessão de autógrafos de “A Partilhas do Caos”, publicado pela Editora Movimento, ocorrerá no Theatro São Pedro, Espaço Foyer Nobre, a partir das 17h30min. A obra conta com 65 sonetos inspirados em grandes temas do homem e na própria vida do autor, como o Cosmos, o Mar, a Infância, o Amor e a Morte. A trilha sonora do evento ficará por conta do pianista Antônio Augusto Medeiros.

“Partilha do Caos” é divido em seis partes: I “As estrelas e o mar”; II “Gênesis do espanto”; III “Homenagem a Raimundo Correia, em seus caminhos”; IV “Por seres eterna”; V “A última estação”; e VI “Homenagem a Tom Jobim”. A distribuição dos poemas não é apenas uma divisão de temática, mas atende a um rebuscado princípio de composição, traçando uma espécie de narrativa.

Carlos Saldanha Legendre nasceu em Porto Alegre e é formado em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Advogou por muitos anos e ingressou na Magistratura como Juiz de Alçada, tornando-se Desembargador do Estado do RS, função que exerceu até sua aposentadoria, no ano de 2000. Paralelamente à sua profissão, foi poeta, desenvolvendo importante obra literária reconhecida por críticos como Carlos Nejar, Cassiano Ricardo e Antônio Houaiss.

“Mesmo dentro da seara sonetística, Legendre demarca singularidade, devolvendo à forma petrarquiana certa clave nobre, adjetivo aqui desprovido de qualquer conotação pejorativa ou ornamental: trata-se, em verdade, de conferir potencial sublime mesmo aos elementos mais inusitados da realidade (…) o gaúcho endossa a tradição sonetística brasileira, mas, ironicamente, destoa de sua fatura contemporânea, marcada pelo humor mais corrosivo (Glauco Mattoso) ou descolado (Paulo Henriques Britto)”, é o que diz o crítico literário Gilberto Araújo sobre o trabalho de Legendre.

Informações via assessoria de imprensa